www.cnm.org.br |

(61) 2101-6000

terça, 13 de março de 2018

Mais 10 modalidades são inseridas na Política de Práticas Integrativas e Complementares

Faculdade Ibrate Mais dez recursos terapêuticos passam a fazer parte da Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares (PNPIC). Passam a integrar o rol do Ministério da Saúde (MS), as seguintes modalidades de cuidado integral à saúde da população: apiterapia, aromaterapia, bioenergética, constelação familiar, cromoterapia, geoterapia, hipnoterapia, imposição de mãos, ozonioterapia e terapia de florais.

Instituída em 2006, a PNPIC propôs conhecer, apoiar, incorporar e implementar novas experiências – já desenvolvidas em Municípios e Estados – no Sistema Único de Saúde (SUS). Até então, 19 práticas integrativas já estão institucionalizadas. São elas: ayurveda, homeopatia, Medicina Tradicional Chinesa, medicina antroposófica, plantas medicinais/fitoterapia, arteterapia, biodança, dança circular, meditação, musicoterapia, naturopatia, osteopatia, quiropraxia, reflexoterapia, Reiki, Shantala, terapia comunitária integrativa, termalismo social/crenoterapia e Yoga.

De acordo com o governo federal, desde a implantação a política, o acesso dos usuários do SUS a essas práticas têm crescido exponencialmente. Além disso, a ampliação da oferta terapêutica traz mudança de paradigma, avanços e fortalecimento da promoção da saúde. A medida segue as recomendações da Organização Mundial da Saúde (OMS), que incentiva a inserção, reconhecimento e regulamentação das Medicinas Tradicionais e Complementares.

Coordenação
A medida foi anunciada pelo ministro da Saúde, Ricardo Barros, durante o 1º Congresso Internacional de Práticas Integrativas e Complementares e Saúde Pública (Intercongrepics), ocorrido de 12 a 15 de março, no Rio de Janeiro. Na ocasião, e representante da pasta destacou que com a inovação, o Brasil passa a contar com 29 práticas integrativas pelo SUS. Durante o evento, Barros também assinou ato que institui a Coordenação de Práticas Integrativas e Complementares no organograma do Ministério da Saúde.

Saiba mais sobre as novas práticas

ü  Apiterapia – método que utiliza produtos produzidos pelas abelhas nas colmeias como a apitoxina, geléia real, pólen, própolis, mel e outros.

ü  Aromaterapia – uso de concentrados voláteis extraídos de vegetais, os óleos essenciais promovem bem estar e saúde.

ü  Bioenergética – visão diagnóstica aliada à compreensão do sofrimento/adoecimento, adota a psicoterapia corporal e exercícios terapêuticos. Ajuda a liberar as tensões do corpo e facilita a expressão de sentimentos.

ü  Constelação familiar – técnica de representação espacial das relações familiares que permite identificar bloqueios emocionais de gerações ou membros da família.

ü  Cromoterapia – utiliza as cores nos tratamentos das doenças com o objetivo de harmonizar o corpo.

ü  Geoterapia – uso da argila com água que pode ser aplicada no corpo. Usado em ferimentos, cicatrização, lesões, doenças osteomusculares.

ü  Hipnoterapia – conjunto de técnicas que pelo relaxamento, concentração induz a pessoa a alcançar um estado de consciência aumentado que permite alterar comportamentos indesejados.

ü  Imposição de mãos – cura pela imposição das mãos próximo ao corpo da pessoa para transferência de energia para o paciente. Promove bem estar, diminui estresse e ansiedade.

ü  Ozonioterapia – mistura dos gases oxigênio e ozônio por diversas vias de administração com finalidade terapêutica e promove melhoria de diversas doenças. Usado na odontologia, neurologia e oncologia.

ü  Terapia de Florais – uso de essências florais que modifica certos estados vibratórios. Auxilia no equilíbrio e harmonização do indivíduo.

Com informações do MS