www.cnm.org.br |

(61) 2101-6000

sexta, 21 de dezembro de 2018

Portaria traz regras para beneficiários do BPC que não estão inscritos no Cadastro Único

21122018 amp ebcMais de 1,4 milhão de pessoas que recebem o Benefício de Prestação Continuada (BPC) ainda não fizeram a inscrição no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal. O registro é obrigatório e portaria publicada pelo Ministério do Desenvolvimento Social (MDS) no DOU estabelece regras para o cadastramento e datas limites de regularização da situação. O prazo vai até o dia 31 de dezembro. Quem não se inscrever até essa data deve cumprir o cronograma estabelecido na Portaria, que determina o registro de acordo com a data de aniversário de cada beneficiário.

Nascidos nos primeiros três meses do ano têm até 31 de março de 2019 para regularizarem a situação. Caso contrário, o benefício poderá ser suspenso a partir de abril. De acordo com a portaria, o benefício poderá ser reativado assim que a inscrição for identificada e o beneficiário receberá o valor referente ao período de suspensão. Beneficiários não inscritos serão notificados pela rede bancária sobre as datas limites.
O beneficiário que não realizar a inscrição no Cadastro Único e não entrar em contato com o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) em até 30 dias após a data do bloqueio, poderá ter o benefício suspenso. Os interessados têm a opção de entrar com recurso contra a suspensão do benefício nos canais de atendimento do INSS em até 30 dias a partir da data da suspensão. 

A Confederação Nacional de Municípios (CNM) destaca que a Portaria traz um alívio momentâneo para beneficiários e Municípios, mas não resolve o problema. A entidade entende que as equipes municipais precisam de autonomia para planejar campanhas informativas, mobilizações e busca ativa desse público. Vale lembrar que se trata de Municípios de pequeno porte, com aérea rural a ser considerada, bem como pessoas com possível dificuldade de locomoção. Dessa forma, é necessário que o governo federal invista em uma ampla e justa campanha para inclusão dos beneficiários no cadastro único, de modo a não comprometer acesso ao direito. Acesse aqui a Portaria 2651/2018.

Ações da CNM

Nesta semana, a CNM protocolou ofícios junto ao MDS e outros órgãos vinculados à política de assistência social no âmbito do Sistema Único de Assistência Social (Suas). Os documentos solicitam a ampliação do prazo para o cadastramento de pessoas idosas e pessoas com deficiência que são beneficiárias do BPC para comparecer ao setor do Cadastro Único nos Municípios brasileiros e realizar a inserção dos dados dos beneficiários e todos da família.

Inscrições
Para se inscrever, os beneficiários do BPC devem procurar os Centros de Referência de Assistência Social (Cras) ou a Secretaria de Assistência Social do Município e ter em mãos o Cadastro de Pessoa Física (CPF), Registro Geral (RG) e comprovante de residência. A inscrição também pode ser feita pelo responsável familiar, contanto que leve os documentos de todas as pessoas que moram com o beneficiário.
O BPC tem o valor de um salário mínimo e é pago mensalmente a idosos acima de 65 anos e pessoas com deficiência que possuem renda familiar de até ¼ do salário mínimo (atualmente R$ 238,50). Entre as vantagens de fazer parte do Cadastro Único está a possibilidade de participar de vários programas sociais do governo federal. Até o momento, mais de 3,1 milhões de pessoas já registraram as informações na ferramenta do governo brasileiro.

Da Agência CNM, com informações do MDS